Econotícias Online

Data: 05.10.2015

Terra Indígena Arariboia: o coração da mata queima

O fogo se alastrou de forma grandiosa e há mais de 20 dias queima o coração da mata na Terra Indígena Arariboia. Com mais de 413 mil hectares, entre os municípios de Amarante do Maranhão, Bom Jesus das Selvas, Buriticupu, Arame e Grajaú, a terra indígena abriga aproximadamente 10 mil indígenas Tentehar/Guajajara e grupos Awá sem contato com a sociedade não indígena.
 
Segundo as lideranças indígenas, o fogo já queimou mais de 100 mil hectares da mata, aproximadamente 20% de floresta amazônica. Um prejuízo enorme. Não somente para a fauna e flora: os animais mortos pelo incêndio, queimados às centenas, são a base alimentar e compõem a ‘cosmológica’ dos povos indígenas, que vivem naquele território.
 
O incêndio no território Arariboia demonstra as consequências de anos de devastação com a exploração ilegal de madeira, que retira a vegetação nativa, o que facilita a propagação do fogo. Por outro lado, evidencia que o estado do Maranhão não está preparado para combater as queimadas e muito menos o desmatamento ilícito que acontece de forma constante.
 
Entidades têm cobrado do governo estadual a construção de um Plano de Prevenção e Controle de Desmatamento e das Queimadas no Maranhão (PPCD-MA), mas que até o presente momento nada foi feito. Todavia, o estado do Maranhão aparece com 433 focos de incêndios, sendo o quarto estado com maior número de focos de incêndio em todo Brasil.
 
Para tentar conter o fogo, foi criada a Operação Awá, que conta com a participação de indígenas (Gavião e Apinajé), Corpo de Bombeiros e Exército (50 BIS) de Imperatriz, Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Fundação Nacional do Índio (Funai) - Coordenação Regional de Imperatriz.
 
Embora com todo o efetivo, as lideranças indígenas afirmam que não é o suficiente para controlar os 30 quilômetros de linha de fogo. Uma das dificuldades é o acesso.  O incêndio já queimou parte das casas dos Guajajara. Os indígenas estão vigilantes para evitar mais destruição e temem que a linha de fogo chegue ao território dos Awá sem contato. Caso isso aconteça, os indígenas em situação de isolamento voluntário podem sofrer graves consequências.
 
Esta não é a primeira vez que acontece um incêndio nessas proporções no território Arariboia. Em 2008, madeireiros invadiram a aldeia Lagoa Comprida, no coração da mata, mataram seu Tomé Guajajara, 60 anos, e saíram ateando fogo na floresta. O incêndio foi grandioso e causou muitos prejuízos para os povos indígenas.
 
Todavia, os indígenas têm denunciado que todos os anos acontece queimadas no território Arariboia, em especial no período do verão quando o tempo seco contribui para o alastramento do fogo.
 
O cenário de destruição representa a morte de plantas, dos animais e o empobrecimento das comunidades indígenas. Se faz necessária ações concretas, estruturantes e permanentes, efetivas no sentido de que a mata seja protegida e as vidas que nela habitam possam ter a existência garantida.
Por Gilderlan Rodrigues, Cimi Regional Maranhão

Listagem de Artigos

Primeira 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60 61 62 63 64 65 66 67 68 69 70 71 72 73 74 75 76 77 78 Última


Movimento Ecológico | Rua Dr. Danton Vampret - 128 Aldeia de Barueri | Fone: (11) 4163-4382 | E-mail: movieco@movieco.org.br