Desafios Ambientais

Data: 11.03.2013

Tensão volta a crescer em Belo Monte

A tensão entre os milhares de trabalhadores de Belo Monte e o consórcio responsável pela construção da hidrelétrica chegou a um nível crítico. O novo ponto de conflito entre os 18 mil funcionários que trabalham atualmente nas margens do rio Xingu, no Pará, e o Consórcio Construtor de Belo Monte (CCBM), liderado pela empreiteira Andrade Gutierrez, tem origem nas horas extras que são pagas atualmente aos funcionários, por conta do tempo que eles gastam no deslocamento entre suas casas, em Altamira (PA), até os canteiros de obra da usina. Cada trabalhador gasta entre duas e três horas, diariamente, nesse trajeto. O CCBM paga por esse tempo em trânsito, uma conta chamada de "hora itinerário". Ocorre que, com a conclusão próxima de milhares de alojamentos dentro dos canteiros da usina, essa hora extra deixa de existir.


O impacto no bolso é significativo. Com a hora itinerário, cada trabalhador consegue engordar seu salário mensal em cerca de 20%. Além disso, pode permanecer em companhia de sua família, em Altamira, maior município da região e o mais afetado pela hidrelétrica. Ao migrar para o alojamento, esse trabalhador perde seu extra de 20% no salário e, ainda, o contato diário com familiares. A polêmica está instalada.

Os trabalhadores, conforme apurou o Valor, decidiram exigir uma compensação. Eles cobram do CCBM o que tem sido informalmente chamado de "hora confinamento". O pleito foi confirmado por Roginel Gobbo, vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Pesada (Sintrapav), que representa os funcionários de Belo Monte. "Queremos sim, uma proposta de compensação. Existe perda pesada de valor para o trabalhador e isso não foi estabelecido antes", disse. "Nós já pedimos a suspensão imediata da mudança dos trabalhadores para os alojamentos, até que essa questão esteja totalmente definida. Há um clima de insatisfação muito grande por conta disso. Temos que negociar", comentou o vice-presidente do Sintrapav.

Se o fim da hora extra mexe com o bolso dos funcionários, seu pagamento também pesa na conta do CCBM. O consórcio não comenta o assunto, mas estimativas apontam que, em média, o custo mensal da "hora itinerário" tem sido de aproximadamente R$ 3,5 milhões para o consórcio. Essa fatura pode ficar ainda mais salgada, se for levado em conta que as obras da usina deverão reunir, até meados de agosto, aproximadamente 28 mil trabalhadores, conforme planos do consórcio Norte Energia, que é o dono do empreendimento e que contratou o CCBM para executar o empreendimento.

Sindicalistas e empresas já discutiram o assunto na semana passada. As negociações prometem ser duras. O consórcio construtor não reconhece o compromisso de ter que pagar extra por "hora confinamento" e sustenta que a mudança dos trabalhadores para os canteiros de obra estava prevista desde o início de seus contratos.

Atualmente, cerca de metade dos 18 mil funcionários do CCBM já estão alocados em alojamentos da hidrelétrica. A outra metade está concentrada, basicamente, em Altamira, em casas próprias ou alugadas temporariamente pelo consórcio.

No fim do ano passado, o CCBM fechou um acordo com o Sintrapav. O período de "baixada" do trabalhador - prazo de aproximadamente uma semana que é dado para que o funcionário possa visitar sua família - foi reduzido de seis para três meses. O vale-alimentação aumentou de R$ 110 para R$ 200 e os salários foram reajustados entre 7% e 11%, dependendo da função.

Na semana passada, a diretoria de relações institucionais da Norte Energia passou por mudanças. O posto foi assumido pela ex-presidente de tecnologia da Caixa Econômica Federal, Clarice Copetti, que entrou no lugar de João Pimentel, que passou a responder pela área de licenciamento socioambiental da usina. Ligada ao PT, Clarice é esposa do secretário-executivo do Ministério das Comunicações, Cezar Alvarez.

Sindicatos disputam receita anual de até R$ 6,5 milhões

O pano de fundo que envolve os conflitos de trabalhadores de Belo Monte e, por vezes, o quebra-quebra nos canteiros de obra da usina, passa diretamente por uma intensa disputa sindical que tem marcado a construção da hidrelétrica desde o início, em junho de 2011. Trata-se de uma repetição de problemas já vistos nas obras de Jirau Santo Antônio, usinas em fase de conclusão no rio Madeira, em Porto Velho (RO). O representante legal dos funcionários da hidrelétrica é o do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Pesada (Sintrapav), vinculado àForça Sindical. O Conlutas, no entanto, acompanha de perto a movimentação na obra e tem funcionários filiados entre os empregados de Belo Monte.

Hoje, cada um dos 18 mil funcionários da usina paga R$ 30 por mês ao sindicato. Isso significa que, por mês, são arrecadados atualmente cerca de R$ 540 mil. No ano, são R$ 6,5 milhões em contribuição sindical. É preciso lembrar ainda que, até agosto Belo Monte deve atingir o pico da obra, com a entrada de mais 10 mil empregados.

Atenágoras Lopes, membro da secretaria executiva nacional do Conlutas, nega que o sindicato esteja por trás de qualquer tumulto gerado em torno da obra. Ele também garante que o Conlutas não está presente em Vitória do Xingupor mero interesse financeiro. "Uma coisa é o direito legal de representação, outra coisa é o direito legítimo. Estamos em Belo Monte porque temos que apoiar a classe trabalhadora. Não estamos atrás de mera representação sindical", disse ao Valor. "Atuamos no limite da lei, mas deixamos clara a nossa posição para o trabalhador. Ele que tome as suas decisões."

Apesar de minimizar os conflitos com o SintrapavLopes acusa o sindicato rival de cobrar, compulsoriamente, o pagamento mensal de R$ 30 por mês. "Sabemos que, quem se nega a pagar, é ameaçado de demissão. Isso é um absurdo, não somos a favor dessa situação", comentou.

As acusações e os conflitos sindicais são negados pelo vice-presidente do Sintrapav, Roginel Gobbo. "Não há conflito sindical nenhum, até porque somos nós, oficialmente, que sentamos à mesa para negociar as reivindicações dos trabalhadores. Não posso falar nada sobre Conlutas ou qualquer outro sindicato, porque eles não têm nenhuma participação local", disse.

Em janeiro, o Conlutas comemorou o alvará de soltura de cinco trabalhadores de Belo Monte. Eles estavam presos, acusados de formação de quadrilha e de envolvimento no incêndio que pôs abaixo o canteiro de obras onde trabalhavam.

 

André Borges publicada pelo jornal Valor Fonte: IHU

Listagem de Artigos


Movimento Ecológico | Rua Dr. Danton Vampret - 128 Aldeia de Barueri | Fone: (11) 4163-4382 | E-mail: movieco@movieco.org.br